domingo, 26 de dezembro de 2010

Matriz – Fsa



Enquanto
Fazia
a
Feira
Lembrava das
Festas da matriz
Carroças enfeitadas
Cheias de homens-putas
Desfilavam no
Meio
Da
Praça
Barracas se
Enfileiravam
Frente
Ao
Coreto
E
A igreja
As filarmônicas
(ah! As filarmônicas!)
Faziam-se
Ouvir
Enquanto
Um bêbado
Trôpego
Caia na frente
Das mulheres
Que traziam lenha...
- Ei, moço!
Vai pagar em miúdo?
Acordava e era trazido
De volta à feira
Retornava
Dos cortejos
Sagrados
Construídos
Por um
Povo
Carregado de luxúrias!
A. Spínola

6 comentários:

Weslley M. Almeida disse...

Olá, meu caro!

Essa imagem e texto sobre Feira são tocantes. A Matriz é um símbolo local expressivo.
Gosto muito do que se produz no intuito de revelar, realçar e poetizar nossa terra.
Quero convidar-lhe a visitar meu blog Le-Tranças e a acessar este meu poema, publicado num site da cidade, que guarda minhas impressões sobre a Princesa do Sertão...

http://www.terradelucas.com.br/artistas-de-feira/memorias-de-minha-terra

Abraço!

A Spinola disse...

Olá Wessley, visitarei seu site. Espero estabelecer um canal informações e lugares de memórias por aqui...
Abraços.

Belos e Malvados disse...

Bela foto, belo texto, Augusto. Como sempre.

A Spínola disse...

Obrigado Anne! Bjs! e mais uma vez, Feliz 2011!!!

Marina Carvalho disse...

Aaaahh, filarmônicas!

Imagens que me fazem viajar entre o tempo e espaço...

Toda vez que eu passar pela matriz, vou me lembrar disso!

Tocou aqui dentro, ó...

Muito bem! Abraços!

Mírian Fontes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.