segunda-feira, 26 de junho de 2017

Sobre a solidão...

A solidão é
                uma companheira e
                                              tanto...
Para
       o
        bem
Para
      o
        mal...

Coração de vaqueiro

Hoje
      é
          dia de saída
                        de vaqueiro
Para o
         Campo do Gado
Hoje
      cedinho
               tropas de burros
                                  caminhões boiadeiros
e artesãos
               se encontram e
                                   transpiram negócios
O campo
             velho
                  do Glauber
É uma nova
                 vila
                    onde vendem
                                        sonhos e afirmações
É dia
       de batida de coração
Do vaqueiro?
                   hoje
É de
Feira de Santana

Pistas

Estrelas
          uma a uma
                         foram se acendendo
Demarcando
                    tempo e
                                destinos
Pistas
        Enquanto
                     isso
                        drogado
Ouvia
         a voz
                  e lia
Fragmentos de boneca
                                que me encantavam

sábado, 13 de maio de 2017

Proposta

A proposta
               era
                     um grito
                                 de calar
a alma
          dedilhando
                          cordas
                                   vocais
                                            e veias
                                                      tortas
aortas
          de amor
                      e som

Meus pensamentos

Não consigo
                  controlar
os meus
             pensamentos
Aqui
        o mundo
                     sempre
é outro...

Regra

Agora
        que temos
                       a regra
É só
      quebrá-la
                     e viver...

Raposa Bonita

Prá onde
           foi,
              Maria?
Não ouço
             você
                    a sua voz
Não vejo
            porcelana
                         brilhante
                                     no meio
                                                 da
                                                   caatinga
Não vejo
              ninho
                     de arapuá
                                    Amarelo
Pelos
        nem
              o sol
                     que não
                                nos perdoa
Prá onde
            foi,
                Maria?
Que não
           segue a minha
                              Pisada
Não deixa
               seu rastro
                              meu
                                    rastro
Sinal de vida
                    errante
No meio
            desse mato
                            vida de
                                      todos
                                            Nós...
Prá onde
              foi,
                  Maria?
Daqui a pouco
                    Ouço o som
                                    Das sanfonas
E aí...
          saio zabumbando e
                                         Nenhuma raposa me alcança...