quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Manga amarela

A manga
amarela
estava deliciosa
cada fio
de ouro
cada tanto
de sumo
que chegava a
minha boca
hummmm
Pensei
em ter
uma
manga amarela
por uma
noite
uma manhã
uma tarde
Por toda a vida?
Ah! quem sabe?

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

A vida

Desesperadamente
saudosa
Envolvente
Doce e
Amarga...
Ora,
De quem falo?
Da vida!

"De hoje a oito"

Não costumo
seguir
regras
quando falamos
do destino
Não planejo
não marco
convicto
para
de hoje
a oito
A História
não é o futuro...

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Chuvas de Novembro

Surpreendido
pela chuva
O povo
se lançou
em
rezas
louvores de
agradecimentos
para uns
temeridades
para tantos outros
No escritório
da firma
bem ao
longe
pensamentos
desalinhavam
fios de
uma vida
o filme
registrava
a vivência dos fatos
enquanto
a memória
em luzes
capturava
imagens
sons
cheiros
até sonhos...

Casa própria

Comprou
A
Casa dos
Sonhos
E...
Morreu!
Minha casa
Minha vida.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Noites

Fugi!
Saltei na
Neblina
Da
Madrugada
Esperando
Ganhar
O mundo,
Ganhar
A rua.
Estivera
Detido
Pelo crime
De
Lesa majestade:
Abandonei
Dias de sol
Por noites
Prateadas
De lua,
No Timbau.
Deixara o
Labor cotidiano
Por cervejas,
Amargas cervejas,
Loiras, Ruivas, Pretas...
Bebidas de
Um
gole só,
Após desencontros
Em mesas de bar,
Rodas de conversas
Desnorteadas,
Vadias filosofias,
Indagações cosmogônicas,
Inquietantes,
Boemias de pensamentos tortuosos,
Bando de Lucas da Feira,
Encantados por divinas flores e
Fadas...