quarta-feira, 18 de agosto de 2010

"Teje preso"


Se

um dia

não te seguir

faltaram-me estradas

Não decifrei

o sentido do

ir

e

vir

parei

cercado por uma solidão incompreensível

sozinho

eu comigo mesmo

sem o

personagem

criado

sem tempo

sem dinheiro

sem sina...

sem caneta

sem papel

ou notebook

apenas memórias

que não pemitiam

a perda da identificação

enquanto assistia

algumas cenas do

meu filme

("Memory Pictures" apresenta:)

sinais e

gestos:

uma boca - e

uma mão - procuravam aparecer

entre

cabelos molhados

e soltos

cabelos barras de ferro

grades!

que um dia

no meio da feira

prenderam

todas as minhas possibilidades

preso



sozinho entre o Mercado a

Praça da Bandeira e

as Casas Pernambucanas

tudo que me restou da feira

foram memórias

uma grarrafa de pinga

um quilo de farinha

e as cores das

barracas de frutas...

"teje preso, cabra!"




A. Spínola